Há 75 anos estreava no Central Theatre de Nova Iorque o segundo filme da história do estúdio de animação Disney e um dos seus maiores clássicos. Pinóquio foi escrito pelo italiano Carlo Collodi entre os anos 1982 e 1983 e adaptado aos cinemas pelos argumentistas Ben Sharpsteeny e Hamilton Luske. A história conta as aventuras do boneco que procura tornar-se humano a partir da bravura e lealdade. Pelo caminho, tem lidar com o egoísmo – representado pelo nariz que cresce sempre que mente.

Na estreia o filme foi bem recebido pela crítica e ganhou dois Óscares, de melhor banda sonora e melhor canção original para “When You Wish Upon A Star”, sendo a primeira vez que uma animação era distinguida com uma estatueta dourada. No entanto, foi um fracasso econômico para a Disney, provavelmente pelo momento em foi lançado. A Europa enfrentava a Segunda Guerra Mundial e o púbico que frequentava as salas de cinema na época preferia prestigiar trabalhos com uma temática mais bélica, como o dos realizadores John Ford, Frank Capra ou William Wyler.

Outro motivo para o fracasso do filme foi o alto custo, gerado pelo meticuloso trabalho de criação dos desenhos, especialmente daqueles que reproduziam a textura da madeira. Conforme explica Dave Bossert, produtor e diretor criativo do estúdio Walt Disney, em entrevista à página Daily Beast, este cuidado estético rendeu frutos a longo prazo: “Faço parte da indústria [da animação] há mais de 30 anos e ainda vejo Pinóquio como um dos melhores filmes de animação feitos à mão de sempre. A preocupação com os detalhes valeu a pena a longo prazo e assegurou ao filme um lugar entre os clássicos da animação”, afirma.

Pinóquio, o boneco de madeira mais famoso do mundo completa 75 anos

Walt Disney Co./Everett

 

Em 1994, o filme foi selecionado pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos para fazer parte do National Film Registry, um arquivo cinematográfico que conserva trabalhos de interesse cultural, histórico e estético do país. Em 2005, a revista Time incluiu-o na sua lista de 100 melhores filmes da história e em junho de 2011 deu à produção o título de melhor filme de animação da história. No site Rotten Tomatoes, responsável por agregar críticas de cinema de diferentes meios, o filme tem uma aprovação de 100%, o que significa que recebeu a nota mais alta das 41 publicações que avaliaram a obra.

E qual é o segredo para a longevidade do filme? Dave Bossert acredita no equilíbrio entre o nível técnico e a qualidade da história. “Cito sempre a sequência da baleia no filme, pela riqueza artística utilizada para recriar o oceano, além da interação entre Pinóquio e Gepeto enquanto são perseguidos pelo animal – tudo é feito de maneira tão espetacular. Às vezes é difícil imaginar este nível de inovação, quando estamos acostumados à animação gráfica, mas foi tudo desenhado à mão”.

Pinóquio, o boneco de madeira mais famoso do mundo completa 75 anos

Walt Disney Co./Everett

 

O reconhecimento do filme também se traduz nas centenas de adaptações e referências que recebeu ao longo dos anos, que vão desde a literatura, como na adaptação do escritor russo Aleksej Tolstoj, ao cinema, em obras como Shrek e Inteligência Artificial.